EnglishPortugueseSpanish

Bem-vindo ao Moto Tour Himalaias

As viagens são grandes sonhos para os amantes da motocicleta. Afinal basta boa ou boas companhias e estradas para desbravar, outros lugares, outros países… Buscar o indizível pelas mais fantásticas paisagens, com o acréscimo de história e cultura…

“Sonhos não acontecem… Se realizam a partir do momento que deu um passo para concretiza-los.”

Numa integração total com a Natureza… É claro, um prazer que só em cima de uma moto pode-se vivenciar. Quem é apaixonado por estradas, busca sempre novas aventuras sob duas rodas, encarando desafiadores trajetos no melhor estilo “Sem Destino”, filme de 1969 que narra as aventuras de 2 motociclistas pelas rodovias dos Estados Unidos. Desfrutar de uma viagem emocionante, explorando muito alem dos pontos turísticos, paisagens de literalmente de tirar o fôlego, percorrendo o cenário montanhoso nos braços do Himalaia indiano é o nosso convite.

Aventura inesquecível que inflama o espírito e entusiasma a alma.

Com o vento apimentado no rosto, bem no estilo indiano, aventura, natureza e riqueza, e diga-se de fartura intangível, rumaremos para uma das partes mais belas e íngremes, que poucos tem o privilegio de conhecer. Sob a Royal Enfield tomaremos destino ao alto, mas pararemos nos lagos satíricos, pacíficas zonas interioranas e qualquer outro lugar que seu coração desejar.

Explorando profundos desfiladeiros cruzaremos Khardung-La Pass, estrada mais alta do mundo!

Acamparemos ao lado de um lago de alta altitude e desfrutaremos de vales que estão a 12.000 pés acima do nível do mar.
Aqui seus fardos não se atreveram a acompanhá-lo, desenterrará suas fantasias e as tornará realidade. Vamos deixar a magia dos monastérios abandonados, e a brisa rodopiar seus sentidos para o melhor.

Esta rota de moto é certamente uma das mais difíceis no mundo, por atingir lugares tão remotos. Sem dúvida ela o deixará hipnotizado, uma experiência além de qualquer medida, transformadora.
Não podemos negar que estaremos à altura de qualquer programa “Sem Destino” seguindo a corrente da liberdade acima de tudo. Já que a liberdade é lema dos apaixonados pelas duas rodas. Uma jornada de auto descoberta.

A Govinda Turismo oferece, de forma segura, a oportunidade desta combinação perfeita, aventura e emoção.
Prepare-se para uma das mais preciosas viagens de sua vida…

Moto Tour Mapa / Moto Tour Preços

QUEM SOMOS
Mohan Verma
Proprietário da empresa GOVINDA TURISMO - Sede Brasil Curitiba / Sede India Rishikesh
WhatsApp +55 41 9682-5157

Nascido e residente ao norte da Índia, aos pés dos Himalaias, na cidade de Rishikesh.
Guiado pela sedução que as montanhas despertam, desbravou desde muito cedo, em cima de duas rodas, a maioria das rotas que conduzem aos picos gelados… Conhecendo os seus desafios e belezas.

Deste amor pelas montanhas, nasceu o “Moto Tour Himalaias“, um projeto para que outros Motociclistas possam também desfrutar desta divina aventura nestes lugares tão remotos do mundo. É a realização de uma aspiração acalentada desde muito cedo.

Um projeto audacioso, conduzir brasileiros pelas mais altas estradas trafegáveis do mundo!

Casado com brasileira, Rebeca Angelica, aliaram talentos e juntos construíram a Empresa de Turismo, que atua no ramo já no ramo desde 2013, especializados na India, para brasileiros.

Utilizando a sua vasta experiência no ramo turístico, tendo parcerias com excelentes fornecedores e uma ampla rede de contatos locais deste seu pais natal. Soma a este seu conhecimento de logística de transporte aéreo, rodo e ferroviário e de infraestrutura hoteleira, ao espírito prático e perspicaz no planejamento e execução de projetos de pacotes turísticos, a sua impetuosidade e gosto de liberdade, tão característica dos amantes de motocicleta.

 Informações de contato

MOTO TOUR HIMALAIAS 2018

N

ão importa quantas vezes se diga dos desafios que a aventura sob 2 rodas trazem, eles sempre são bem vindos para a adrenalina dos que apreciam este gênero de viagem. Buscamos neste roteiro aliar todo os ingredientes para fazer desta aventura uma experiência única aos pés de lugares imperdíveis da India.

Selecionamos os pontos mais privilegiados traçando segurança, conforto e logística como bases, para um tour que trará o melhor que uma viagem deste tipo pode proporcionar.

Apresentamos uma mostra desta jornada que dará a você uma ideia do que está oportunidade pode proporcionar.

Um gosto para começar a dar asas a sua imaginação…

MOTO TOUR HIMALAIAS - 30 de Maio a 13 Junho 2018

Time Line

1° Dia
2° Dia
3° Dia em Van
4° Dia Início em Moto
5° Dia
6° Dia
7° Dia
8° Dia
9° Dia
10° Dia
11° Dia
12° Dia
13° Dia em Van e Voo
14° Dia
15° Dia
Voo Internacional
Delhi (216m)
Delhi > Kullu > Manali (2050m)
Manali > Jispa (3200m)
Jispa >Sarchu(4290m) 90Km 3h>Gata Laços
(22 curvas fechadas) Passes Baralacha la (4890m)
>Zing Zing Baar
Sarchu > Leh (3500m)>
Passes de Tanglang La (5330m)
Leh (3500m)
Leh > Nubra Valley (3050m) >
Passes Khardunlga (5360m)
a mais alta do Mundo
Nubra Valley > Leh (3050m)
Leh > Panggong Lake (4200m) >Khardunlga(5350m)
Panggong Lake (4350m)
Panggong Lake >Leh -150Km (3500m)
Leh > Delhi (216m)
Delhi (216m)
Delhi > Gru

MOTO TOUR HIMALAIAS 30Mai a 13Jun 2018

Time Line

  • 1º Dia: Voo Internacional
  • 2º Dia: Delhi (216m)
  • 3º Dia: Delhi > Kullu > Manali (2050m)
  • 4º Dia: Manali > Jispa (3200m)
  • 5º Dia: Jispa >Sarchu (4290m) 90Km 3h> Gata Laços (22 curvas fechadas) Passes Baralacha la (4890m) > Zing Zing Baar
  • 6º Dia: Sarchu > Leh Ladakh (3500m) > Passes de Tanglang La (5330m)
  • 7º Dia: Leh Ladakh (3500m)
  • 8º Dia: Leh > Nubra Vally (3050m) > Passes Khardunlga (5360m)a mais alta do Mundo
  • 9º Dia: Nubra Valley > Leh (3500m)
  • 10º Dia: Leh > Panggong Lake (4350m) >Khardunlga(5350m)
  • 11º Dia: Panggong Lake (4350m)
  • 12º Dia: Panggong Lake >Leh – 150Km (3500m)
  • 13º Dia: Leh > Delhi (216m)
  • 14º Dia: Delhi (216m)
  • 15º Dia: Delhi > Gru

A Jornada

NOVA DELHI
O porto de entrada à Índia, será a sua capital, Nova Delhi. Passando-se uma noite para descanso da longa viagem ocidente – oriente. E logo na manha seguinte, um voo rumo ao norte da Índia, a lendária cidade de Manali.
Clique nas imagens para ampliar.
MANALI
O tour começará na panorâmica Manali, uma bela cidade montanhosa às margens do rio Beas no extremo norte da India, já a 2.050 metros de altitude. Teremos aqui a oportunidade de fazer o reconhecimento do equipamento, a motocicleta ROYAL ENFIELD passeando pela turística Manali.

 Conheça a ROYAL ENFIELD

MANALI - JISPA (138 KM=> 6-7 horas)
Em Rohtang Pass (3.978m) ao início da jornada nosso primeiro desafio, pois as estradas que percorreremos neste trecho são ruins e as condições climáticas incertas, mas avançaremos em direção a Jispa, uma pitoresca vila às margens do rio Bhaga, começando a deixar para trás a paisagem de montanhas verdes e começando o cenário que nos acompanhará a partir de então, neves, gelos, dunas de areia e montanhas pedregosas.
Passaremos pelo Vale de Koksar, ponto de verificação de documentação e na sequencia mais uma parada na cidade de Keylong para finalmente chegar a Jispa. Pernoite in Jispa em Pousada (Foto da Pousada)
JISPA - SARCHU (90 KM => 3 horas)
Saindo  de  Jispa  rumamos  em  direção  Zing  Zing  Bar,  serpenteando  as montanhas  rochosas  e  começando  a  subida  íngreme  em  direção  a  Baralacha Pass, trecho de estrada bem construída, sem qualquer habitação.
A beleza continua a aumentar à medida que marchamos cada vez mais perto em direção Baralacha Pass. Esta famosa passagem Baralachha (4.830m), que é a maior estrada na montanha do estado de Jammu Kashmir. Baralachha forma um platô elevado aonde três diferentes montanhas alinham-se: Pir Panjal, Zanskar nos grandes Himalaias.
Seguindo para Sarchu aos pés do planalto tibetano na estrada Manali-Leh, que está na fronteira de Kashmir e Himachal, lugar popular de trekking na região de Ladakh.
E seguimos para Pang, onde a paisagem muda novamente, terreno árido, dezenas de quilômetros de estrada em meio a este novo panorama. Aqui testemunharemos uma mistura de diferentes formações naturais que são vistas nas estradas e areias.
Pang é uma parada comum nesta altura da viagem Manali-Leh. Acontecerá o nosso primeiro acampamento na aldeia de Pang. O alojamento será em tenda básica e alimentos disponíveis em muitas casas de chá no leito do rio. São os únicos lugares onde alguma facilidade está disponível.
SARCHU - LEH LADAHK (174 KM - 8 horas)
Com o raiar do dia nos despedimos da cordilheira do horizonte retomamos estrada para vislumbres fantásticos das planícies. Chegamos para atravessar Tanglang La Pass a segunda mais alta estrada para veículos do mundo, cerca de 5.360 m, residência dos pastores nômades Changpa que podem ser vistos pastoreando seus gados e cabras.

Esta passagem nos oferece uma vista cênica que vai balançando ao sabor dos ventos pela  estrada  principal,  tem  a  adrenalina  perfeita para os  aventureiros ansiosos. Prepare-se para momentos tão pungentes…

LEH LADAHK
Chegamos afinal em Leh, cidade indiana a oeste de Srinagar com seu barulho típico, marcadamente budista e muçulmana. Pararemos para explorar esta região, com passeios a pé enquanto as máquinas serão revisadas mecanicamente.

Capital de Ladakh, Leh está majestosamente rodeada pelos picos himalaicos banhada pelo rio Zanskar que encontra o Indu mais abaixo. Possui diversos belos monastérios e monumentos históricos e se destaca como local ideal para trekking e montanhismo. A paisagem de montanhas nevadas em um terreno íngreme com o limpo céu azul de fundo a torna digna de um perfeito cartão postal.

Leh também tem como interesse turístico dois importantes pontos que visitaremos em nossa “pausa aventureira”. O Shanti Stupa, resultado de esforços de budistas japoneses e de Ladakh que possui em sua bela estrutura as relíquias de Buddha consagradas pelo próprio Dalai Lama. Daqui temos uma visão panorâmica da cidade. Portanto não vamos esquecer de ajustar nossas câmeras para registrar esta bela recordação de Leh.
Outro ponto interessante é o Palácio de Leh, construído no século 17, primo distante do Pothala de Lhasa no Tibet. Uma vez lar da família real atualmente está sob os auspícios da arqueologia indiana. Ao anoitecer transitaremos pela charmosa Changspa road e poderemos desfrutar de um de seus restaurantes com agradáveis jardins.
LEH LADAHK - NUBRA VALLEY (160 KM - 7 horas)
A seguir partimos para uma aventura no vale de Nubra. Para chegar lá, aí sim, passaremos pela estrada mais alta do mundo Khardongla . Esta passagem foi construída em 1979. Khardong La é uma passagem estrategicamente importante situado em uma estrada de caravana de Leh para Kashgar. Em tempos antigos camelos e cavalos tomavam esta rota para suprir mercadorias. Hoje em dia é utilizada para transportar suprimentos para a geleira de Siachen e é de alta importância logística para o exército indiano. A uma altitude de 5.359 m é também conhecida por “ a passagem do castelo baixo”
Alcançando a região do Vale de Nubra.
Em Vale de Nubra não perderemos vistas atrativas e cênicas dos vales, ornamentadas pelas bandeiras tibetanas de orações adicionando colorido a beleza cênica.
Conheceremos o Monastério Diskit, não somente o mais antigo, como o maior Gompa budista do vale, pertencendo a seita Gelugpa do budismo tibetano.
Elevando-se sobre uma montanha ascendente e estabelecido ao redor de rotas de linhas de montanhas, o Monastério de Rangdum, foi encontrado no séc. 18 e mias se parece com um guardião de um místico vale de montanha localizado no caminho para Zanskar.
NUBRA VALLEY - LEH LADAHK (160 KM - 7 horas)
Antes de retornarmos também visistaremos o Mosteiro de Samstanling na vila de Sumlur do vale, construído em 1841 por Lama Tsultim Nima. Muito bonito em meio a uma agradável paisagem cênica marcado pelas tradicionais matizes de dourado, vermelho ocre e branco. Nos halls internos pinturas de parede de Buda e seus ensinamentos, Dharamchakra, e os quatro reis celestiais estão representados. Retornando a Leh via Khardong, mesmo caminho que fizemos na ida.
LEH - PANGGONG LAKE (150 Km - 6 horas)
Nesta manha, vamos rumo ao carismático lago Panggong situado no platô Changtang na região oeste de Ladakh. Maior lago de água salobra na Ásia com 149 km de comprimento e um dos maiores de alta altitude na India. Ao chegar no lago nos depararemos com um símbolo típico da perfeição da natureza. Ele possui uma das mais belas matizes de azul que jamais tenha visto que ficaram gravadas em nossa memória como umas das inesquecíveis vistas desta viagem. Aqui vamos acampar e ter tempo para desfrutar a região do lago.
Para chegar lá atravessamos a terceira maior passagem Chang La a 5.350m, famosa por sua beleza serena e natural que atrai pessoas de todas as partes do mundo. Atravessar este trecho irá deliciar nossos olhos e corações com picos cobertos de neve, paisagens estéreis e vales ondulantes.
Retornamos a Leh com uma vista fantástica do vale do Indo e da montanha de Zanskar para nos despedirmos de nossas motos e retornarmos a Delhi.

Nesta altura você estará pleno das memórias da jornada percorrida nesta parte do mundo. Em meio as muitas aventuras e histórias, elas sempre estarão vivas e serão ponto de partida ou chegada para outras experiências!

Informações Importantes

Para sua viagem

SOBRE OS HIMALAIAS
Os Himalayas como comumente chamamos refere-se a cadeia de montanhas Sul Asiática com a maior altitude do mundo, sendo na verdade um grande sistema de cadeias de montanhas, vales profundos e glaciais que formam uma barreira entre o platô do Tibet ao norte e as planícies aluviais do subcontinente indiano ao sul.

Cobrem aproximadamente 2.400 km passando por India, Paquistão, Afeganistão, China Butão e Nepal.

Rica em biodiversidade de fauna e flora que inclui em suas diferentes altitudes arbustos alpinos, florestas de coníferas e animais como panda vermelho, cervo almiscarado e centenas de espécies de pássaros, a região é vital para a regulação climática de nosso planeta.

Na região dos himalayas encontra-se mais de 110 picos elevando-se acima de 7.300 metros e onde estão situadas nove das dez maiores montanhas do mundo, incluindo o famoso Monte Everest, a mais alta montanha da terra, com 8.848 metros de altura.

A região indiana do himalaya compreende os estados Jammu e Kashmir com Ladakh como o maior distrito, Himachal Pradesh, Uttarakhand na área de Kumaon, Sikkim ( antigo reino budista), Arunachal Pradesh e as regiões montanhosas de Assam e Bengala Ocidental. É também a fonte dos maiores rios da Ásia incluindo os sagrados Ganges e Yamuna que fluem também a partir dos himalayas.

Outro ponto interessante sobre os Himalaias é que toda a cadeia de montanhas por sua suntuosidade e presença geográfica, talhou por milhares de anos as culturas do Sul da Ásia, tendo muitas de suas montanhas consideradas como “sagradas”, tanto pelo Budismo como pelo Hinduísmo.

Movimento que também gerou uma cultura única que interpenetra natureza e homem juntos na mesma indústria da vida. Religiosidade e lugares naturais sagrados como vales secretos e lagos montanhosos elevados que pré datam ao hinduísmo antigo.

SOBRE LEH - LADAK
“A Estrada mais alta do Planeta para veículos a motor”

Leh Ladakh é uma região primorosa na borda da cordilheira do Himalaia terra das grandes passagens e reconhecida em tempos passados como ponto estratégico comercial da região por sua localização no sudeste da Ásia Central

Ladakh é o distrito da Índia com as altitudes mais elevadas: uma grande parte do seu território excede os 3.000 metros. O território está divido entre a Índia,o Paquistão e a China.

O Ladakh indiano é a maior região do estado de Jammu Kashmir, ocupando uma superfície de 60 mil km², metade da superfície deste estado. Conhecida como “Pequeno Tibete”, por sua estreita relação e influência com o país, desde a década de 70 recebe incentivo turístico pelas suas paisagens montanhosas das mais privilegiadas e forte centro da cultura budista tibetana.

Nas últimas décadas a presença militar indiana se mantem ostensiva na região e quer manter Ladakh como parte do território nacional e evitar que a China tome mais uma parte de suas terras, como aconteceu em 1962 com o deserto de Aksai Chin, assim como busca prevenir que o Paquistão tome de volta a geleira Siachen que outrora foi palco da guerra mais fria , travada a 6.000 metros de altitude nos anos 80.

Ponto alto para um turismo ecológico, Ladakh reina em meio a paisagens áridas, com várias espécies selvagens de ovelhas e cabras que vivem nas montanhas. Ambiente pitoresco e em certa medida selvagem no meio da imensidão de uma região que rasga o espaço quase vazio de outros elementos que não as deslumbrantes montanhas e picos nevados. A percepção é de se estar num espaço aparentemente infinito numa região já das menos habitadas da populosa India. Não para menos pois é uma das regiões mais altas do mundo humanamente habitáveis. O que conserva Ladakh até hoje como uma espécie de paraíso escondido e intocado, porção da India escondida por trás dos himalaias.

Leh contornada pelos imponentes picos do himalaia e situada a 3.505 m acima do nível do mar é a porta de acesso a região de Ladakh e serve como base para turistas aventureiros viajando por toda a região.

Nela encontramos belos monastérios, monumentos históricos e antiquários provenientes do antigo reino de Ladakh. Pano de fundo para diversas aventuras de trekking e montanhismo que são explorados em meio a beleza estéril e intrépida dentro e ao redor de Leh.

Após a cidade de Leh, encontramos o Pass de Khardung-la, que é a estrada transitável mais alta do planeta, com os seus incríveis 5.682 metros de altitude em seu ponto mais alto. Passar de moto nesta estrada significa que você pilotou uma moto numa altura superior a qualquer montanha dos Alpes e quase o dobro da altura da maior montanha do Brasil 2.994 m – Pico da neblina.

E para compreender melhor, chama-se de “Pass” o local, normalmente alto, que faz a passagem de um lado ao outro de uma montanha, ou vales, ou regiões, e muitas vezes para outros países, como acontece na Europa em vários pontos dos Alpes, por exemplo.

O Pass de Khardung-la está a uma distancia de 50 quilômetros ao norte de Leh e é a porta de entrada para os vales de Shyok e Nubra. Construído em 1976, foi aberto a veículos em 1988 e desde então tem recebido muitos aventureiros em expedições em automóveis, motos e até bicicletas.

Decidir quando visitar esta região se torna uma escolha bem pessoal uma vez que cada estação do ano tem seu fascínio e descortina uma beleza ímpar dos himalaias.

Abril marca a entrada da estação turística que se extende pelos quatro meses seguintes, quando o clima se torna gradativamente mais aprazível. Geralmente a partir da segunda semana de maio a estratégica Srinagar- Leh railway abre e o fluxo de turistas aquece o caminho para Ladakh. Os lagos começam a derreter revelando as magníficas cores e fabulosas vistas. Aos meses de maio e julho a estrada de Manali abre juntamente com a Rohtang Pass , combinando um clima muito bom chegando o mês de julho ser o mais quente do ano ( 25 C de dia e 10C a noite) muito ideal para desfrutar de incríveis vistas de neve e as estradas flanqueadas por paredes de neve. Neste período acontecem celebrações e festivais com dias ensolarados e noites mais frias. Que nos lembram do cuidado que devemos dispensar com a exposição ao sol.

Nos meados de setembro e outubro encontramos pitorescas paisagens imbuídas de muitas cores nas estradas e localizações de Leh e Ladakh, as águas que circundam as áreas se tornam azuis e incríveis paisagens despontam por conta do período após as monções. Um clima gradativamente mais brusco e frio vai se intensificando anunciando o ressurgimento das estações frias onde novamente o gelo e as temperaturas abaixo de zero se expalham por toda a área acima de 14.000 pés. Fazendo encerrar mais um ciclo sazonal de aventuras por aquelas terras

SOBRE AS GRANDES ALTITUDES
A terra de Ladakh está localizada em altitudes variando de 9.000 a 15.000 pés acima do nível do mar. Viajar para estas altitudes em um curto espaço de tempo pode levar a sintomas agudos de saúde que são chamados de doenças agudas de montanha. Estas comumente se manifestam como dor de cabeça e vômitos. Outros sintomas incluem falta de ar, falta de sono e tosse. A indução repentina a tais altitudes gera efeitos sobre o corpo. Pode levar à hipertensão, distúrbios da coagulação do sangue (sangue intravascular coagulação, tromboembolismo) e hipertensão pulmonar.

O risco de doença em altitude depende da rapidez com que se ascende a uma altitude elevada. A recomendação é que se pode com segurança ascender 8.000 pés acima do nível do mar em 24 horas. Além desta medida, se deve subir 1.000 pés (cerca de 300 metros) em 24 horas. Mas, na prática, isso é difícil de seguir. Viajar por estrada é, portanto, considerado mais seguro em relação a avião, pois dá tempo suficiente para o corpo obter ajuste à ascensão de altitude. Retorno de avião para altitudes mais baixas não é problema.

Uma consideração muito importante que você viajante deve estar bem consciente é a da presença de fatores de riscos em sua atual condição de saúde.

Hipertensão, diabetes e função pulmonar comprometida ou doença cardíaca são fatores de risco, o que pode levar a doenças agudas da montanha. Mais importante ainda, as doenças agudas como fumo, gastroenterite e febre são os fatores precipitantes para a doença em alta altitude.

É absolutamente importante estar ciente desses sintomas e procurar assistência médica rapidamente nos casos das doenças de montanha. Os seguintes sintomas devem justificar assistência médica urgente:

1. Falta de ar grave
2. Dor de cabeça
3. Vômitos
4. Ataxia
5. Escalar a marcha (como bêbado)
6. Sonolência
7. Inconsciência
8. Dores abdominais
9.Perturbações visuais

A aclimatização, correspondendo a um processo do corpo que se ajusta à disponibilidade diminuída do oxigênio em altitudes elevadas, é naturalmente um processo lento, por isso é ímpar dar tempo para que a aclimatização vá ocorrendo ao longo dos dias, administrando as reações.

Qualquer pessoa que vá para altitudes pode obter AMS (doenças agudas de montanha). É relacionado primeiramente à fisiologia individual (genética) e à taxa de ascensão.
Mas não há nenhum efeito significativo relacionado a idade, gênero, aptidão física, ou experiência anterior de altura. Algumas pessoas aclimatam-se rapidamente e podem ascender também rapidamente, enquanto outros aclimatam-se lentamente e têm problemas para ficar bem mesmo em uma subida lenta. Há fatores que não podem ser explicados simplesmente. A mesma pessoa pode obter AMS em uma viagem e não outro, apesar de um itinerário de ascensão idênticos. Infelizmente, não se tem como prever quem é provável de desenvolver os sintomas de doente na altura.

Alta altitude é definida como:

• Alta Altitude: 1500-3500m (5000-11500 pés)
• Altitude muito alta: 3500-5500m (1150-18000 pés)
• Altitude Extrema: acima de 5500m

Certas alterações fisiológicas normais ocorrem em cada pessoa que vai para altitudes, aconselhamos atentar a elas para monitoramento e comunicação ao pessoal da viagem:

• Hiperventilação (respiração mais rápida, mais profunda ou ambas)
• Falta de ar durante o esforço
• Padrão de respiração alterado à noite
• Despertar freqüentemente à noite
• Aumento da micção

À medida que se ascende através da atmosfera, a pressão barométrica diminui e, portanto, cada respiração contém menos e menos moléculas de oxigênio. É preciso trabalhar mais para obter oxigênio, respirando mais rápido e mais fundo. Isto é particularmente perceptível com o esforço, como andar subindo. Estar sem o ar com esforço é normal, desde que a sensação de falta de ar resolva se rapidamente com o repouso. O aumento da respiração é crítico. Por conseguinte, é importante evitar qualquer coisa que diminua a respiração, como álcool e certas drogas. Apesar da respiração aumentada, alcançar níveis normais de oxigênio no sangue não é possível em altitude elevada.

Aumento da respiração persistente resulta na redução do dióxido de carbono no sangue, um produto de desperdício metabólico que é removido pelos pulmões. A acumulação de dióxido de carbono no sangue é o sinal-chave para o cérebro que é hora de respirar, por isso, se é baixa, o impulso para respirar é embotado (a falta de oxigênio é um sinal muito mais fraco e atua como uma válvula de segurança final). Enquanto você está acordado, não é muito difícil respirar conscientemente, mas à noite um estranho padrão de respiração se desenvolve devido a um ato de equilíbrio entre estes dois gatilhos respiratórios.
A respiração periódica consiste de ciclos de respiração normal que diminui gradualmente e um breve período de recuperação da respiração acelerada. A respiração-exploração pode durar até 10-15 segundos. Isto não é doença de altitude. Pode melhorar ligeiramente com a aclimatização, mas geralmente não resolve até a descida. A respiração periódica pode causar muita ansiedade.

Mudanças dramáticas ocorrem na química do corpo e no equilíbrio de fluidos durante a aclimatização. O centro osmótico, que detecta a concentração do sangue, é reiniciado para que o sangue esteja mais concentrado. Isso resulta em uma diurese alta com os rins excretando mais fluido. A razão para esta reinicialização não é muito clara, embora tenha o efeito de aumentar a concentração de glóbulos vermelhos e talvez melhorar a capacidade de transporte de oxigênio do sangue e também não facilita a tendência para a formação de edema. É normal na altitude a urinar mais do que o habitual. Se você não o faz, você pode estar desidratado, ou você pode não estar se aclimatando bem.

DOENÇA DE MONTANHA AGUDA

A doença aguda de montanha (AMS) é uma constelação dos sintomas que representam que seu corpo não está se aclimatando a sua altura atual. À medida que você subir, seu corpo se aclimata ao oxigênio decrescente (hipóxia). A qualquer momento, há uma altitude “ideal” onde seu corpo está em equilíbrio, muito provavelmente esta é a última elevação em que você dormiu.
Estendendo acima disso é uma zona indefinida cinza, onde o seu corpo pode tolerar os níveis mais baixos de oxigênio, mas para o qual você não está completamente aclimatado. Se você ficar acima do limite superior desta zona, não há oxigênio suficiente para que seu corpo funcione corretamente, e sintomas de sofrimento hipóxico podem ocorrer – isto é AMS. Ir muito acima do que você está preparado pode leva-lo a ficar doente.

Esta “zona de tolerância” se move com você enquanto você se aclimata. Cada dia, ao subir, você está aclimatando-se a uma elevação mais alta, e assim sua zona de tolerância estende-se muito mais acima na montanha. O truque é limitar a sua viagem ascendente diária para ficar dentro dessa zona de tolerância.
O diagnóstico de AMS é feito quando uma dor de cabeça, com qualquer um ou mais dos seguintes sintomas está presente após uma subida recente acima de 2500 metros (8000 pés):

• Perda de apetite, náuseas ou vómitos
• Fadiga ou fraqueza
• Tonturas
• Dificuldade para dormir

Todos estes sintomas podem variar de leve a grave.

Hotéis

MOTO TOUR HIMALAIAS

Todas as acomodações, hotéis, pousadas e camping são rigorosamente selecionados pela Govinda Turismo, para oferecer a melhor experiência possível, nesta aventura aos Himalaias.

NOVA DELHI
Hotel em Delhi
THE SURYAA ⭐ ⭐ ⭐ ⭐ ⭐
Website: www.thesuryaa.com
Noites: 03 noites
No coração da cidade de Delhi, possui um ambiente acolhedor e uma gama de facilidades que garantem conforto e bons serviços.
Clique nas imagens para ampliar.
MANALI
Hotel em Manali
APPLE COUNTRY RESORT ⭐ ⭐ ⭐ ⭐
Website: www.applecountryresorts.com
Noites: 01 noite
Localizado no ponto mais alto na Log Hut área de Manali, em meio a pomares de maçãs e árvores de pino, possui beleza natural e diversas facilidades para uma estada relaxante e agradável.
JISPA
Hotel em Jispa
HOTEL IBEX JISPA – Pousada
Website: www.hotelibexjispa.com
Noites: 01 noite
Situado na estrada Manali-Leh, a 140 km de Manali é um oásis de tranquilidade em meio a montanhas com neve e os arredores do vale de Lahaul.
LEH
Hotel em Leh
HOTEL THE ZEN LADAKH ⭐ ⭐ ⭐ ⭐
Website: www.thezenladakh.com
Noites: 04 noites
Situado em Leh está equipado com diversos serviços como piscina de banho aquecida e quartos confortáveis com belas vistas das montanhas.
NUBRA VALLEY
Camping em Nubra Valley
MYSTIQUE MED WS
Website: www.mystiquemeadowscamp.com
Noites: 02 noites
Situado entre florestas de álamos, nogueiras e horta de vegetais orgânicos, proporciona tendas estilo suíças, com banheiros, provendo uma experiência imediata das vistas e sons da natureza circundante.
PANGONG LAKE
Camping em Pangong Lake
WONDERLAND TOURIST CAMP
www.wonderlandcamp.in
Noites: 01 noite
Localizado às margens do lago Pangong em Spangmik, oferece em suas tendas confortáveis vistas das montanhas de Changchenmo para o norte e seus reflexos entre azuis e verdes nas águas do lago.

Informações sobre Preços

Receba por email o descritivo completo enviando o formulário abaixo: